Em ano de crise, evento em SC discute novas perspectivas para o mercado de refeições coletivas

Seminário Nacional de Refeições para a Coletividade da Região Sul aconteceu no Espaço Eisenbahn Biergarten, na Vila Germânica, em Blumenau

O ano de 2015 tem sido desafiador para os empresários, principalmente àqueles do setor de refeições coletivas, que viram o preço dos alimentos alavancar nos últimos meses. Dados da ABERC mostram que o setor teve uma queda entre 8 e 10%, se comparado ao ano passado, quando fornecia todos os dias 12,2 milhões de refeições.  A crise se instalou e trouxe muitas dificuldades para o mercado, mas a hora não é de parar.

O momento é de se reinventar para novos serviços, atraindo clientes e gerando novas fontes de receita, como fez o Grupo Risotolândia. “Mudamos a nossa marca e deixamos ainda mais claro o posicionamento do Grupo. Escolhemos fazer isso num momento de adversidades justamente para proporcionar aos nossos colaboradores e clientes um clima de mudança, sinalizando novos negócios, melhores resultados e mais oportunidades. Lançamos novos serviços e estamos nos reinventando a cada dia”, disse o Diretor Superintende do Grupo, Carlos Humberto de Souza.

Proposta

E, para trazer novas perspectivas ao mercado, foi realizado nesta quinta-feira (05), em Blumenau, o 3º SENARC - Seminário Nacional de Refeições para a Coletividade da Região Sul, organizado pelo SIERC RS/SC – Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, em parceria com o Sercopar – Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas e Alimentação Escolar do Paraná. O evento teve como tema “Alimentação no Meio Corporativo: Qualidade de Vida, Motivação e Produtividade”.

Na abertura, a Secretária de Educação de Blumenau, Helenice Luchetta, que representou o Prefeito da cidade Napoleão Bernardes, falou sobre a proposta do evento. “É importante para nossa cidade sediar um evento dessa magnitude. O Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimentos ao dia e temos mais de 48% da população acima do peso. Algo está errado. Precisamos discutir novas tendências, trazer novas soluções e ideias, afinal de contas a alimentação saudável faz a diferença na sociedade e, as novas práticas, é que garantem a perpetuidade das nossas empresas”, disse.

Juliano Gruber, Presidente do SIERC RS-SC e diretor da Naturas Restaurantes Empresariais, de Santa Catarina, diz que apesar dos obstáculos impostos pela crise econômica, a empresa vem conseguindo manter seus índices. “Acredito que neste momento de crise os empresários devem se preocupar muito na manutenção e fidelização dos clientes, investimento em mão de obra e, principalmente, não definir como prioridade as margens de lucro, só assim conseguiremos atender a uma demanda que precisa deste serviço de alimentação. A hora é de priorizar novas parcerias para conseguir manter os resultados e atividades oferecidas”, diz.

Expectativas para 2016

Enzo Donna, um dos maiores especialistas em Food Service do país - com o maior banco de dados sobre o setor – falou das expectativas para 2016: “Quem não se preparou para novas oportunidades, para criar outros tipos de serviço, deve estar com grandes dificuldades. Ainda dá tempo de mudar as perspectivas, vislumbrando melhores resultados. O importante é adequar a situação econômica da empresa ao tamanho da equipe, à produtividade do negócio e, principalmente, continuar investindo na qualificação da mão de obra. Profissionais valorizados e motivados produzem mais e melhor”, disse Donna.

Segundo Enzo, para 2016, o desafio é sobreviver. “Não será um ano tão difícil quanto 2015, mas ainda assim serão dias complicados para os empresários. Em 2017 esperamos que a situação melhore, mas dependemos de uma solução política. Sem a resolução do problema política, não tem solução econômica. Isso está mais do que claro”, disse Donna.

O palestrante ainda falou da importância em manter uma relação de muita proximidade com os fornecedores. “Praticamente 45% do custo do mercado é destinado à matéria-prima. E os fornecedores estão muito preocupados com a situação do mercado pois estão sentindo as dificuldades: margens estreitas e pressão muito grande para redução de preço. Os empresários precisam ser cautelosos e formar uma bela aliança com seus parceiros”.

Outras palestras

O SENARC também recebeu Felisbela Pino, nutricionista e administradora com vasta experiência na administração de restaurantes industriais em empresas de pequeno e médio porte. Ela falou sobre sustentabilidade no segmento de refeições coletivas, trazendo as participantes novas soluções e recursos para evitar perdas no setor, já que o Brasil é um dos países que mais desperdiça alimentos.

Alimentação Laboral, Responsabilidades, Prevenção de Acidentes e Doenças Ocupacionais também foram debatidos durante o evento, em palestra ministrada pelo Dr. Hélio Gustavo Alves. A programação contou ainda com uma palestra show do Chef de Cozinha Alexandre Bressaneli e um Workshop sobre Engajamento e Melhores Práticas de Gestão com as pessoas.

No encerramento, o SENARC teve a presença das princesas da Oktoberfest 2015, os personagens Vovó e Vovô Chopão e do Grupo Musical Hausmusikanten, que animou o público presente com suas músicas típicas da Alemanha.